terça-feira, janeiro 27, 2015

Amor versus Homem da nossa Vida



Durante a semana passada discuti com as O.F um tema que me pareceu interessante partilhar aqui. O amor da nossa vida é o homem da nossa vida? Não houve consenso absoluto sobre o tema obviamente. Quando se fala de sentimentos nunca há.

Eu realmente acho que o Amor da nossa vida pode ou não ser o Homem da nossa vida. Acredito mesmo nisso. Acredito que quem tenha o privilégio de ter um grande amor sabe que nunca haverá nada que irá superar isso. Não digo que não seja possivel amar-se outra pessoa. Mas não daquela forma, não a fazer-nos sentir assim. O Amor da nossa vida é aquele que nos arrebata. Que nos sufoca. É aquele com o qual tens os momentos mais felizes da tua vida e os piores. Vives tudo intensamente. Os pequenos momentos de paixão são as melhores coisas do mundo e as pequenas discórdias são o fim da vida. Mesmo o fim para muitos. Fazes loucuras, ultrapassas todos os limites.

O Homem da nossa vida pelo contrário, (podendo ou não ser o Amor da nossa vida) não nos dá tamanha intesidade mas dá-nos a possibilidade de, a longo prazo, termos uma vida estável, normal e feliz. Equilibrada, digamos assim. Existe amor entre os dois, claro que sim. Existem momentos igualmente felizes e igualmente tristes. Mas as tristezas já não são sentidas como as maiores catástrofes e os momentos felizes não nos sufocam mais.

É complicado gerir cá dentro tanta emoção. Não é fácil aceitar que a pessoa com quem estamos possa não ser o Amor da nossa vida. Ou aceitarmos que alguém que ficou no passado foi o Amor da nossa vida. Há quem nem consiga ultrapassar essa perda e seguir em frente para um novo Amor.

Acredito também que existe uma possibilidade (cada vez mais ínfima, contudo) de o Amor da nossa vida ser o Homem da nossa vida. Essa sorte ainda existe. Acredito que sim. Acredito que então a longo prazo, nesse caso, há uma mistura dos dois. Aprendes com o tempo a encarar os momentos tristes como “naturais” e passageiros e os momentos felizes continuam a arrebatar-te e a deixar-te o brilho no olhar mas atinges uma paz que não te sufoca mais. És feliz e pronto. E isso basta.


Sorte de quem encontra os dois, ao mesmo tempo, numa só pessoa. “Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa Vida.” 

Sem comentários: