quinta-feira, fevereiro 14, 2013

Vamos falar de Amor



E no Dia dos Namorados eu faço um elogio ao amor. 
O Amor, o verdadeiro Amor.  O Amor que é feroz e gentil, implacável, desmedido, louco. Gosto desse Amor que não tem regras dentro das sua regra de ser infinito e demasiado puro e fiel a si mesmo. Quero um amor assim. Sem dúvidas, sem ponderações, sem subtilezas, sem incertezas, sem traumas ou más fases. Quero um Amor de verdade. Não como nos filmes, mas como o dos nossos avós. Aqueles amores que crescem todos os dias mais um bocadinho. Daquele que aperta o coração na ausência e sufoca de felicidade a todos os minutos. Um Amor incansável. Um Amor que me faz cantarolar a todo o minuto e que pede ao meu corpo para dançar ao som de qualquer música, em qualquer lugar. 
"Avô, vou ter um amor assim como o teu e o da avó?" perguntava eu quando pequena. O avô fazia-me uma festa no rosto e dizia: "Não querida. Vais ter um amor maior ainda. Grande, belo e infinito. Como tu."

Aparece quando quiseres Amor. Bate-me à porta, ou então cruza-te comigo por qualquer rua por aí.
Quando chegares, és meu. E será assim: um Amor grande, belo e infinito, como diz o avô. 
Porquê? Porque sim.


1 comentário:

cousine disse...

"Aparece quando quiseres Amor. Bate-me à porta, ou então cruza-te comigo por qualquer rua por aí.
Quando chegares, és meu."

Adorei =)