domingo, janeiro 22, 2012

Sem filtro - O primeiro Adeus.

Sentara-se após um domingo solarento.
Resolvera que estava na hora de começar a despedir-se. A largar pouco a pouco o que tinha de largar, e deixar ir.
Enquanto abria um bloco e retirava uma folha para escrever a primeira carta de despedida recordava-se do que a J. lhe dissera: - Tu não tens filtro. És como eu. As coisas entram e vão-nos directas ao coração. Quando damos por nós não há como voltar atrás. Não temos filtro, ponto final.
E era verdade. Era tão verdade que a assustava.
Decidira então começar a filtrar e para isso decidira começar a despedir-se dele, da forma romântica que os uniu durante meses.
Resolveu escrever, talvez porque escritas as palavras poderiam ganhar mais força.
E escrevera:

" Hoje é o primeiro dia em que deixo um bocadinho de ti, finalmente, ir embora. Mas atenção, não é um bocadinho qualquer.

Hoje digo adeus a todas as vezes que me chamaste amor e que me disseste "Eu amo-te".
Hoje digo adeus a todas as vezes que me pediste para não te deixar ir embora, a todas as vezes que me pediste paciência, a todas as vezes que me pediste tempo, e a todas as vezes que disseste que ias ficar comigo para sempre.
Hoje digo adeus a todas as vezes que me disseste que comigo tinhas voltado a conhecer a felicidade.

Por hoje é tudo.."

3 comentários:

Cousine disse...

BRUTO!!
Gosto disso...

Lena disse...

Por hoje é tudo e já é muita coisa!

Beijinho

Anónimo disse...

E cada um tem o seu tempo para se despedir MJ. Terás o teu, aquele que te for mais necessário. Até lá deves fazê-lo de todas as formas que achares necessário, implicando isso tristeza ou não.
Como diz o MEC, "esquece-se entristecendo-se".
Eu estarei por aqui sempre que me quiseres por perto.
E à tua espera também. Pode ser?

J.*