segunda-feira, julho 18, 2011

Idas e voltas, Voltas e Idas

Os quilómetros passavam no contador e os meus pensamento perdiam-se na estrada que nunca tem fim. Tinha saudades de me perder em pensares e sentires nestas estradas e nestes campos que me são tão familiares. Sou em em pleno em casa segundo, ali. Simplesmente a deixar-me ser. A tirar todo o proveito de qualquer lágrima que possa cair, ou qualquer sorriso genuíno. Só meus. Tudo tão meu. E sim, sentia muita falta deste bocadinho só e tão meu. Deste grande bocadinho de estrada que sempre me indicou que rumo a seguir.
Algo é certo.

Nestas idas e voltas, voltas e idas, vou sempre lá ter.
Ao mais genuíno que há em mim.

Sem comentários: